sábado, 27 de fevereiro de 2010




nosso nome


de tantas cores
às vezes
sou arco-íris de sangue policromo
enquanto dorme
minha verdade
minha colcha de retalhos
retalham a carne e o sobrenome
um abandono doce me toma
como a lembrança
do seu azul sobre mim
por sobre nós
nosso nome



Nercy Luiza Barbosa

5 comentários:

Leonardo B. disse...

[da sombra ao pó da derme que nos adormece, é ténue o espaço que se interpõe; só os nossos olhos conseguem descortinar... ou não?]

um imenso abraço, Nercy

Leonardo B.

Nercy Luiza disse...

Sim... o espaço é tênue - nosso olhar, às vezes.

Obrigada pela visita, querido.

Abraço azul

Ana B disse...

Oi, prima, continuo passando aqui, buscando entender o peso e o pouco de ti que carregam suas palavras.
Um grande abraço.

Ana Maria disse...

Querida Nercy,

achei-te...espero vir sempre!!
beijo

Nercy Luiza disse...

Venha sempre que sentir vontade, prima. É... há o meu peso e o da palavras sobre mim. Mas penso que eu e as palavras temos nos entendido bem... sempre que as duas cedem para poder voar.

Beijos, beijos