segunda-feira, 31 de março de 2008

MULHER DO TEMPO

Salvei-o em plena queda
Livrei-o do inferno da dor
Da solidão ácida
Que chovia em gotas condensadas
Como sangue árido
Esse!
Que agora congela e tange
Sua falsa face de anjo
Que no máximo
O faz aprendiz
Do que pensa
Do que diz

Sequei suas lágrimas estrábicas
Com sopro de mágica alegria
Aquela que não sou
Mas você quis
Vá embora!
Seu tempo acabou
Sou apenas uma meretriz
Já fiz tudo
Mais do que a profissão condiz
Dei-lhe escudo
E bala de anis
Se acha pouco
E quer bis
Leve também
A flor
de
Lis



Nercy Luiza Barbosa

4 comentários:

betão disse...

Nercy, gostei da poesia e do bom gosto na escolha das fotos...

Gostaria de passar a te enviar o nosso jornal LITTERA TOUR... Só preciso de seu e-mail... Inclusive tem uma edição especial com o Vladimir Nabokov/Lolita que remete para suas edições das borboletas...

Nercy Luiza disse...

Obrigada pelo elogio à minha poesia, Beto.
Quanto ao meu e-mail, não gosto de colocá-lo aqui, em aberto. Como faço para passá-lo a você?

Abraços

betão disse...

Nercy, inclusive se alguém mais quiser receber o LITTERA TOUR... Fica em aberto meu e-mail: betopalaio@yahoo.com.br

Nercy Luiza disse...

Escreverei para você passando meu e-mail, Beto.

Valeu... obrigada.